Ainda são muitos os entraves no caminho do empreendedorismo feminino, devido à desigualdade de gênero. Mas saiba que a liderança feminina só traz vantagens para o seu negócio.

O futuro é feminino. E, no mundo dos negócios, o crescimento das mulheres no papel de liderança tem mostrado que isso não é apenas previsão, mas a realidade mundial no cenário do empreendedorismo.

Uma pesquisa feita por uma das maiores empresas de consultoria do mundo apontou que startups gerenciadas por mulheres faturam 10% a mais do que as lideradas pelo sexo masculino. Sem falar que a presença feminina em cargos de gestão garante pontos para a empresa, com o fortalecimento da marca e maior produtividade.

Infelizmente, ainda há um longo caminho no combate à desigualdade a ser trilhado. Mas, graças a iniciativas de incentivo às mulheres empreendedoras, mais espaços são conquistados e mostram que o desequilíbrio entre gêneros precisa ficar no passado!

Confira o nosso artigo!

Mulheres alavancando os negócios disruptivos

Sim. O indicador que acabamos de mencionar é real e merece ser reforçado. As startups fundadas por mulheres faturam 10% a mais em relação às empresas fundadas por homens. Quem afirma é o Boston Consulting Group (BCG), uma das três maiores empresas de consultoria estratégica do mundo, em um estudo divulgado pela Época Negócios.

O objetivo da pesquisa, que utilizou a base de dados da MassChallenge — rede global de aceleradoras de startups, foi analisar as diferenças entre as empresas fundadas por mulheres e as lideradas por homens. E os dados mostram diferenças claras, inclusive sinalizando para a importância de investir mais em igualdade entre os gêneros.

Para se ter ideia, mesmo recebendo, em média, 80% dos salários dos homens nas mesmas posições, empresas fundadas e gerenciadas por mulheres geram 10% a mais em receita acumulada, em um período de cinco anos. Isso ocorre apesar do menor acesso a incentivos e investimentos para a criação de negócios.

Afinal, apesar de empresas com uma porcentagem maior de mulheres em cargos de liderança superarem aquelas dominadas por homens em resultados, as empreendedoras não contam com o mesmo nível de apoio financeiro.

Dados de 2018 e levantados em um recorte de cinco anos indicam que o aporte de recursos em empresas fundadas ou cofundadas por mulheres foi, em média, de US$ 935 mil. Isso representa menos da metade dos cerca de US$ 2,1 milhões investidos em empresas que contam com homens à frente dos empreendimentos.

Mesmo com tanta disparidade, startups com lideranças femininas levantaram, nesse mesmo período, US$ 3 bilhões em incentivos, gerando mais de 80 mil empregos. E não para por aí: 42% de todos os negócios acelerados tiveram pelo menos uma mulher como fundadora.

Desigualdade é maior nas startups

Em um relatório de março de 2019, que apresenta dados da Pesquisa GEM de 2018, o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae) apurou a existência de 24 milhões de empreendedoras mulheres no Brasil. Mas os números animadores ainda esbarram no desequilíbrio entre homens e mulheres no mundo dos negócios.

Apesar da desigualdade de gênero em cargos de liderança ser uma realidade no meio corporativo, a exemplo da pouquíssima representatividade feminina nos altos escalões das organizações, ela fica ainda mais acentuada quando se fala nas startups.

De acordo com o Portal G1, a Associação Brasileira de Startups (ABStartups) afirma que, de um universo formado por mais de 12 mil empreendimentos no país, 84,3% são liderados por homens e apenas 15,7% têm à frente uma empreendedora. Os motivos não são novidade.

O preconceito lidera essa discrepância, pois ainda existem estereótipos da mulher dona de casa, normas sociais ultrapassadas e funções acumuladas junto à família. Além disso, no caso das startups, com forte viés tecnológico, existem poucas mulheres no mercado de trabalho do segmento.

Isso porque, ainda nos dias de hoje, vemos meninas desencorajadas a seguir por esse caminho, tanto nas famílias como nas escolas. Mas existem muitas razões para que esse quadro seja revertido. E elas vão além do politicamente correto.

 Motivos para investir na igualdade

Voltar os olhos para promover a igualdade dentro do trabalho é um compromisso com os direitos humanos e com os direitos das mulheres. Entretanto, ações que causam impactos positivos na sociedade também resultam em inúmeros benefícios para as empresas. Por isso, conheça cinco excelentes motivos para investir na diversidade que farão bem ao seu negócio:

1 – Inovação e produtividade

Mulheres na liderança trazem um novo olhar sobre os problemas, o que aumenta a criatividade. Isso enriquece as perspectivas da empresa e resulta em inovação e produtividade.

2 – Lucratividade

Você sabia que empresas que possuem diversidade de gêneros na sua gestão apresentam resultados financeiros 15% superiores em relação à média de seus concorrentes diretos? De acordo com um estudo realizado pela consultoria McKinsey, se a diversidade inclui também raça e etnia, a porcentagem sobe para 35%. Essa mesma pesquisa mostra que, se todos os países alcançassem a igualdade entre os gêneros, o ganho no PIB anual seria de 28 trilhões de dólares até 2025.

3 – Fortalecimento da marca

Quando uma empresa adota políticas de igualdade, a companhia mostra seus valores à sociedade e fortalece sua imagem no mercado. Na hora de escolher entre empresas concorrentes, os clientes tendem a optar pela marca que valoriza esse aspecto, o que também chama a atenção de parceiros comerciais e investidores.

4 – Identificação com o cliente

Na grande maioria dos lares brasileiros, as mulheres estão ao lado dos homens para a tomada das decisões. É importante ressaltar que mulheres são consumidoras e querem se sentir representadas pelos produtos e marcas que compram. E para se conectar com o público consumidor, nada melhor do que ter representatividade dentro da própria equipe de liderança.

5 – Menos riscos jurídicos

A legislação brasileira é clara. Qualquer forma de discriminação é proibida. Portanto, atitudes que ferem a lei podem gerar a responsabilização das empresas nas esferas cível, trabalhista e até criminal. Isso inclui a diferenciação salarial, a imposição de barreiras para a promoção de mulheres e o assédio sexual. Sendo assim, quanto mais mulheres em cargos de liderança e políticas voltadas para o público feminino, menores os riscos jurídicos e prejuízos financeiros.

Viu só como vale a pena romper paradigmas e investir mais em startups e empresas com mulheres na liderança, colhendo frutos que vão além do lucro maior?

3: O IAPRENDI estimulando o protagonismo das mulheres

Se você quer saber mais sobre a importância da participação das mulheres no cenário do empreendedorismo, confira em nosso site o conteúdo que o IAPRENDI preparou para falar sobre “Empreendedorismo feminino e seu papel na economia do futuro”.

O IAPRENDI é referência no interior paulista sobre empreendedorismo feminino. Um exemplo é o programa Ela S/A, uma excelente oportunidade para empresárias e autônomas acelerarem e inovarem em seus negócios. Isso se dá a partir da identificação das necessidades da empreendedora e do estágio da empresa.

Dessa forma, são apresentados eventos educacionais, mentorias e networking personalizados para atender cada objetivo, com uma revisão das propostas a cada três meses.

A iniciativa não tem custo e conta com a duração de um ano. Assim, as gestoras têm a oportunidade de aperfeiçoar seus conhecimentos essenciais sobre o mundo corporativo, em temas como empreendedorismo, inovação e relacionamento.

Ficou interessada? Acesse o nosso site e saiba como participar para estar à frente do seu negócio, com segurança e sucesso total!